Financiamento coletivo

Por: Renato Mendes de Andrade – Jornalista MTB 72493

Vaquinha online ou financiamento coletivo, ou ainda crowdfunding, consiste na obtenção de capital (dinheiro) para iniciativas de interesse coletivo através da agregação de múltiplas fontes de financiamento, em geral pessoas físicas interessadas na iniciativa, e também pessoas do mundo empresarial.

Explicando: o termo crowdfunding é muitas vezes usado para descrever especificamente um certo numero de ações na Internet com o objetivo de arrecadar dinheiro para fins diversos, que podem ser artistas, jornalismo independente, micros, pequenos negócios, start-ups, campanhas políticas, iniciativas de software livre, filantropia e ajuda a regiões atingidas por desastres, entre outros. Parece uma coisa negativa mas não é, que usualmente seja estipulada uma meta de arrecadação que deve ser atingida para que o projeto seja viabilizado.

Caso os recursos arrecadados sejam inferiores à meta, o projeto não é financiado e o montante arrecadado volta para os doadores. Isso é positivo, pois incentiva a todos a fazer o famoso aqui e agora e não deixar para depois. Segundo Vinicius Maximiliano, autor da primeira obra literária no Brasil sobre o tema: “De forma mais simplista, nada mais é do que utilizar sua rede social digital para, através da divulgação também digital do seu projeto, pedir doações em troca de prêmios para pessoas que gostariam que o objetivo fosse alcançado. Um grande valor rateado por milhares torna-se muito pouco para quem contribui, por, muito para quem, somando todos, recebe.

Esse é o principio básico do crowdfunding”. Para facilitar o estudo, pode ser dividido em 4 ou 5 segmentos maiores, que representam os objetivos de cada tipo de projeto e de resultados a serem alcançados, sendo mais comuns os seguintes: 1) financiamento filantrópico ou para projetos sociais; 2) financiamento de produtos ou serviços, existentes ou em desenvolvimento; 3) financiamento para a abertura de startups (nova empresas), também chamado “equity crowdfunding”; 4) financiamento de empréstimos para pessoas ou empresas, também chamado de “lending crowdfunding”; 5) financiamento em investimento imobiliário.

Cada um desses formatos possui características próprias, de acordo com cada país, já que a existência de legislação especifica sobre o tema ainda é bastante restrito. Todos os segmentos porém, já possuem referências mundiais e projetos bem sucedidos, em todas as esferas. No Brasil, os mais comuns e bem sucedidos estão na seara social, filantrópica e produtos e serviços. Já o segmento de equity está dando seus primeiros passos e indica um crescimento estruturado nos próximos anos.

Renato Mendes de Andrade

Siga-me nas redes sociais

https://twitter.com/renatoglobol

https://www.facebook.com/renatoglobol

http://www.linkedin.com/pub/renato-andrade/23/651/507

https://www.youtube.com/c/JornalambienteBr

https://www.instagram.com/renatoglobol/

https://br.pinterest.com/renatoglobol/

SKYPE – renatoglobol

@renatoglobol

Olá, meu nome é Renato Mendes de Andrade, Nick name @renatoglobol. Sou jornalista MTB 72493/SP – Nasci em Olímpia – SP. Trabalho e resido em Barão Geraldo - Região Metropolitana de Campinas - SP. Dirijo a GLOBOL - hospedagens de sites, manutenção de servidores Big Data e Redes Windows e Linux. Sou proprietário do Guia Barão Assessoria e Auditoria de Imagem, presto serviços de comunicação para pessoas físicas e jurídicas, consultoria de imagem na internet para políticos e pessoas publicas. Sou editor chefe do Jornal Ambiente. Com escritórios em Paulínia e em Campinas aqui no estado de São Paulo. Mais que ser o responsável pelo editorial, crio soluções web, soluções impressas e multimídia para terceiros.

Deixe uma resposta